Prefeito em exercício Ademar Dorfschmidt convoca reunião para esclarecimento sobre o HR

A situação do Hospital Regional de Toledo motivou uma reunião com diversos setores na tarde da última segunda-feira (29). Servidores municipais – inclusive os responsáveis pela fiscalização da obra -, vereadores, secretários, representantes do Observatório Social e o prefeito em exercício Ademar Dorfschmidt participaram do encontro que serviu para posicionar os presentes sobre o andamento dos trabalhos para conclusão da obra.

Dorfschmidt conduziu o ato e a intenção, segundo ele, é buscar por soluções efetivas para a obra que se arrasta há uma década. “Precisamos entender o que acontece com aquela obra. Porque são pedidos aditivos de prazo, reequilíbrio financeiro e tantos erros são recorrentes em relação a uma obra que é tão importante para a nossa região”, explicou, lembrando que, em acordo com o prefeito licenciado

Uma das últimas ações foi a contratação de um engenheiro mecânico. Segundo as informações da comissão de acompanhamento, tal fato era necessário para prosseguir a instalação do sistema de ar condicionado. O profissional deve iniciar seus trabalhos na próxima semana. “Estamos há 8 meses ou mais com essa situação pendente [instalação da climatização], devido à falta desse profissional. Será que quando foi licitado o sistema de condicionadores de ar não foi prevista a necessidade deste engenheiro? E se foi, porque ele não foi contratado junto com a empresa responsável pela climatização?”, questionou o prefeito em exercício.

Além disso, a empresa responsável tenta trocar os condensadores, equipamentos importados que integram a climatização, que vieram com a voltagem errada. “É outro problema inadmissível. Agora a empresa pede reequilíbrio financeiro alegando o aumento nos valores de materiais para a instalação devido a um erro que ela cometeu?”

Ademar ainda lembrou que duas empresas trabalham no HR neste momento: uma na parte da alvenaria e adequações, a outra na instalação da climatização. “É um empurra empurra. Uma alega não poder continuar a obra devido ao serviço não executado pela outra. É um absurdo”. O gestor afirmou que, a partir desta semana, a situação será mais transparente e cobrou da comissão de acompanhamento, formada por quatro engenheiros civis e um engenheiro eletricista, a apresentação de relatórios semanais dos trabalhos e que os documentos serão publicados.

Ademar ainda disse que não serão mais admitidas ‘enrolações’. “Se tivermos que romper contratos, assim será feito. É inadmissível que uma obra que poderia neste momento estar atendendo aos toledanos e demais moradores da região, sendo conduzida desta forma. Não vamos mais tolerar esse posicionamento. É preciso romper. Vamos dar um basta”. Dorfschmidt ainda convocou os vereadores a serem parceiros desta luta. “Nós, prefeito Beto Lunitti e eu [Ademar], e vocês vereadores e vereadoras são e serão cobrados por esta situação pela população se não tomarmos uma posição pró ativa agora”, exclamou.

Foto e Texto: Secom Toledo

Related posts

Leave a Comment