Toledo enfrenta o pior cenário desde o início da pandemia

Os integrantes do Centro de Operações Emergenciais (COE) de Toledo estiveram reunidos nesta terça-feira (02) para avaliar sobre os encaminhamentos realizados em função do Decreto Estadual nº 6983/2021, que estabeleceu medidas mais duras para funcionamento de empresas e circulação de pessoas em virtude do agravamento da pandemia do novo coronavírus.

Ao avaliar a semana epidemiológica nº 8, compreendida entre os dias 21 e 27 de fevereiro de 2021, a conclusão que os técnicos da Secretaria de Saúde chegaram é de que estamos vivenciando o “pior cenário desde o início da pandemia”. A elevação do número de casos suspeitos, do número de casos confirmados e do número de óbitos, atrelados ao esgotamento dos leitos de enfermaria e de UTI em toda a macrorregião mudou drasticamente o cenário da pandemia.

“Desde o dia 22 de fevereiro se notou um aumento súbito na ocupação de leitos de UTI na Macrorregional Oeste, a qual pertence a regional de Toledo. Também tivemos um aumento no número de atendimentos de pessoas sintomáticas. Alguns dias superou os 300 pacientes em um dia. Tivemos recordes de casos na semana e no mês de fevereiro. Sabemos que necessariamente um percentual destes pacientes irão precisar de um leito de UTI. Observamos que a necessidade é cada vez mais cedo após os primeiros sintomas da doença. O sistema ficou sobrecarregado tanto do ponto de vista de atendimento, quanto de leitos. Como isso aconteceu de forma regional e estadual motivou o Governo do Estado a adotar medidas mais severas de restrição já que o sistema está colapsando”, relatou a secretária de Saúde, Gabriela Kucharski.

Em resposta a essa situação, o Governo do Paraná emitiu o Decreto Estadual nº 6983/2021, que estabeleceu medidas mais duras para funcionamento de empresas e circulação de pessoas em virtude do agravamento da pandemia do novo coronavírus.

“Desde o dia 22 de fevereiro se notou um aumento súbito na ocupação de leitos de UTI na Macrorregional Oeste, a qual pertence a regional de Toledo. Também tivemos um aumento no número de atendimentos de pessoas sintomáticas. Alguns dias superou os 300 pacientes em um dia. Tivemos recordes de casos na semana e no mês de fevereiro. Sabemos que necessariamente um percentual destes pacientes irão precisar de um leito de UTI. Observamos que a necessidade é cada vez mais cedo após os primeiros sintomas da doença. O sistema ficou sobrecarregado tanto do ponto de vista de atendimento, quanto de leitos. Como isso aconteceu de forma regional e estadual motivou o Governo do Estado a adotar medidas mais severas de restrição já que o sistema está colapsando”, relatou a secretária de Saúde, Gabriela Kucharski.

Números

Toledo já ultrapassou a marca dos 15 mil casos confirmados da Covid-19. Até o início desta semana foram contabilizados 1894 pacientes ativos, ou seja, que estão contaminados atualmente. É o maior índice desde o início da pandemia em 2020. Os atendimentos com registro de síndromes gripais tinham chego graficamente nos mais altos índices em dezembro e janeiro (2.873 e 2.856, respectivamente) em Toledo. Mas o mês de fevereiro superou, de longe, esses dados ao atingir 4.096 atendimentos.

No dia 22 de fevereiro de 2021 foi registrado o maior número de casos suspeitos na rede municipal em um único dia. Dos 340 atendimentos, 251 se enquadraram como casos suspeitos. Do dia primeiro ao dia 19 de fevereiro a média diária de atendimentos do Pronto Atendimento Municipal (PAM/Mini Hospital) foi de 180 casos. Já no período de 20 a 28, houve um salto para 244 atendimentos em média por dia.

A média diária de atendimentos fechou no mês de fevereiro em 142,71. A alta no número de casos suspeitos de Covid-19 em Toledo neste período foi de 43%. Até o momento foram registrados 143 óbitos no município de Toledo. Na semana epidemiológica número 8, foram registrados 1.062 casos e nove óbitos no total.

Mesmo com o considerável investimento na abertura de novos leitos de UTI (são 3,2 vezes mais leitos do que o início da pandemia), a média de ocupação na macrorregional desde o dia 21 de fevereiro tem sido de 99%. Nesta segunda-feira (01), dos 229 leitos, 228 estavam ocupados. Esses compõem uma série de fatores e números preocupantes que embasaram o prefeito Beto Lunitti, bem como os demais prefeitos das principais cidades do Estado, a aderirem às medidas restritivas decretadas pelo Governador do Estado do Paraná.

Foto e Texto: Secom Toledo

Relacionadas

Leave a Comment