Tecpar contribui na fiscalização do uso de agroquímicos no Paraná

O Instituto de Tecnologia do Paraná coopera com Adapar no monitoramento quanto à correta utilização de agroquímicos (pesticidas), fertilizantes, corretivos e inoculantes utilizados na produção agrícola no Estado.

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) coopera com a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) no monitoramento quanto à correta utilização de agroquímicos (pesticidas), fertilizantes, corretivos e inoculantes utilizados na produção agrícola no Estado.

Os programas de fiscalização do comércio e uso desses insumos agrícolas incluem a retirada de amostras no momento da inspeção, que são enviadas pela Adapar aos laboratórios do Tecpar.

Por meio de ensaios tecnológicos, o instituto confere se esses produtos estão em conformidade com as formulações declaradas pelos fabricantes e se atendem a legislação e normas do Ministério da Agricultura e Abastecimento (Mapa) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Nos últimos dois anos, os resultados obtidos neste trabalho apontaram para uma redução nos casos de uso irregular de agroquímicos na produção agrícola. O percentual de amostras aprovadas subiu de 77%, em 2019, para 82%, em 2020.

O diretor-presidente do Tecpar, Jorge Callado, destaca a importância desses ensaios para a economia paranaense. “Esses ensaios realizados pelo Tecpar contribuem para o uso de insumos químicos na agricultura de acordo com a legislação, o que representa economia para o agronegócio, proteção aos trabalhadores do campo e ao meio ambiente e, principalmente, mais qualidade dos produtos”, afirma Jorge Callado.

Carlos Pessoa, diretor de Tecnologia e Inovação no Tecpar, área na qual estão os laboratórios dos centros tecnológicos do instituto, salienta que os laboratórios são parceiros da Adapar neste controle. “Para isso, o Governo do Estado conta com ações integradas de fiscalização, monitoramento e orientação, com a participação de diversos órgãos e secretarias”, observa.

ANÁLISES – Os principais ensaios realizados são resíduos de agroquímicos em produtos agrícolas, macro e micronutrientes em fertilizantes e corretivos e contagem de células viáveis em inoculantes. O inoculante é um produto que contém microrganismos como bactérias e fungos com ação benéfica para as plantas.

Em produtos agrícolas, o Tecpar analisa mais de 350 tipos de agroquímicos. Já em fertilizantes e afins são avaliados 15 nutrientes e 19 parâmetros físico-químicos e microbiológicos, além de diversos metais pesados.

“Esses ensaios são realizados seguindo métodos recomendados pelo Mapa e reconhecidos internacionalmente, o que garante a verificação do atendimento da legislação e normas relacionadas”, explica a gerente do Centro de Tecnologia em Saúde e Meio Ambiente do Tecpar, Daniele Adão.

RESULTADOS – Desde 2016, o Tecpar analisou 1.412 amostras de produtos agrícolas e 1.325 de fertilizantes, das quais em média 80% foram aprovadas. Entre os principais produtos agrícolas analisados estão tomate, morango, soja, feijão e hortaliças, como alface e rúcula.

Para o contrato atual, firmado em março deste ano, está prevista a análise de 426 amostras de produtos agrícolas e de 410 amostras de fertilizantes, corretivos agrícolas e inoculantes.

APLICAÇÃO CORRETA – O uso de agroquímicos não permitidos ou em quantidade acima do limite estabelecido pela Anvisa traz riscos para a produção agrícola, além de possíveis efeitos nocivos para a saúde humana – de trabalhadores e consumidores – e danos ao meio ambiente.

O laudo técnico emitido pelo Tecpar serve de base para a Adapar propor medidas corretivas aos produtores agrícolas e fabricantes de fertilizantes que não atendam a legislação em vigor. Também fornecem informações importantes para que a Agência tenha um panorama em relação às práticas de manejo do solo praticadas nas lavouras do Estado.

REFERÊNCIA – O Tecpar possui infraestrutura de laboratório e técnicos especializados em ensaios tecnológicos relacionados ao agronegócio, sendo referência no Paraná e com posição de destaque no país, cumprindo os mais rigorosos requisitos internacionais para laboratórios.

O instituto possui acreditação junto ao Inmetro, credenciamento e registro no Mapa e habilitação junto à Anvisa e à Rede Brasileira de Laboratórios Analíticos em Saúde (Reblas), que é o reconhecimento legal da competência para a realização de ensaios relacionados ao controle da qualidade à segurança dos alimentos.

Foto: Arnaldo Silva

(AENPR)

Relacionadas

Leave a Comment