PAID dobra atendimento em tempos de pandemia

Reforço na equipe foi necessário para oferecer o serviço com qualidade. Média de atendimentos saiu de 120 para 250 ao mês

O PAID (Programa de Assistência e Internamento Domiciliar) registrou um aumento significativo de atendimentos a pacientes nesta segunda onda da pandemia da Covid 19. De acordo com o médico assistente do programa, Milton Neckel, os atendimentos saltaram de 120/mês para mais de  250/mês. “Para isso tivemos um reforço nas equipes de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, para  poder continuar oferecendo, o atendimento de qualidade que o programa sempre ofertou aos pacientes domiciliares”.

O Paid é formado por três equipes multidisciplinares compostas por médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, e fisioterapeutas e uma  equipe de apoio formada por assistentes sociais, nutricionistas e fonoaudiólogos.

A fisioterapeuta Milena Cristina Vicente, que integra o programa disse que no atendimento domiciliar é oferecido aos pacientes pós Covid , atividades para recuperar a capacidade respiratória bastante prejudicada pelo longo internamento. “Na pandemia, são muitos os pacientes que necessitam de atendimento devido a fraqueza muscular. Então passamos os exercícios para os pacientes e treinamos os familiares para auxiliarem na execução, nos dias em que não podemos estar presentes”.

Nestes últimos meses, a demanda de trabalho aumentou significativamente e as equipes do PAID tem se desdobrado para atender as pessoas, que recebem alta médica e necessitam de acompanhamento. “ Temos que lembrar que além dos pacientes pós covid, o programa continua assistindo aos pacientes  acometidos por outras doenças que são encaminhados pelas unidades de saúde para o internamento domiciliar”, lembrou o médico Milton Neckel.

Para  a dona de casa Zenir de Lara, que ficou 19 dias internada na Upa Veneza, sendo 13 deles  intubada, ter vencido a Covid-129 foi uma vitória “ e continuar recebendo em casa este atendimento tem me ajudado muito. Quando sai do hospital, mal conseguia segurar uma folha de papel na mão , hoje estou bem mais forte.”

Cecília Pereira de Souza,  que ficou  oito dias internada no Hospital de Retaguarda, agradece pelo atendimento recebido. “Deus preparou esse PAID na hora certa. Quero agradecer a Deus pelo programa. É um programa bom que inventaram para ajudar a nossa saúde”.

Já a  técnica e enfermagem do PAID, Daniele alklein  fala que “com  o PAID, estes pacientes tem todos atendimento necessário  no conforto do domicilio, não ficam  em ambiente hospitalar, ficam em casa e a gente consegue da toda assistência para eles”.

Foto e Texto: Secom Cascavel

Related posts

Leave a Comment