Fronteiras da Argentina seguirão fechadas pelo menos até o final de março

No próximo domingo (28) termina o prazo do último decreto argentino que mantinha fechada as fronteiras do país, mas a medida deverá ser prorrogada.

As passagens de fronteira que ligam a província de Misiones, na Argentina, às cidades vizinhas do Brasil (fronteira de Foz do Iguaçu com Puerto Iguazú) e do Paraguai continuarão fechadas ao trânsito de pessoas pelo menos até o final de março, segundo o que o site El Territorio apurou nesta segunda-feira (22), com fontes oficiais do governo argentino.

A possibilidade de a travessia de fronteira ser liberada no terreno vermelho a partir da próxima segunda-feira, quando termina a proibição de movimentação de pessoas, que vai até no último minuto do domingo, 28 de fevereiro, foi descartada pelas fontes consultadas. “Não estamos avaliando essa possibilidade porque de acordo com as informações epidemiológicas que temos tanto do nosso país quanto dos países vizinhos, não seria recomendável porque geraria um aumento nos casos de coronavírus”, disseram fontes da Casa Rosada.

Conforme explicaram, geralmente antes de se tomar uma decisão sobre a situação nas fronteiras, todas as informações epidemiológicas locais, regionais e globais são avaliadas. A partir desse panorama, medidas são tomadas nas fronteiras de todo o país. Esta metodologia de trabalho começou em março do ano passado com a decisão de fechar as fronteiras argentinas antes do anúncio de um novo vírus que naquele momento começou a mudar a vida de todo o mundo.

A partir dessa decisão do governo liderado por Alberto Fernandez, iniciaram-se as operações de repatriação dos argentinos que ficaram retidos fora do território nacional. Em seguida, foi permitida a entrada de estrangeiros não residentes que sejam parentes diretos de cidadãos argentinos. Por fim, no final de outubro do ano passado, foi viabilizada a chegada de turistas de países vizinhos, mas apenas através do aeroporto internacional de Ezeiza e do terminal marítimo Buquebus, na cidade de Buenos Aires.

Em Misiones, todas as passagens de fronteira que ligam o Brasil e o Paraguai permanecem fechadas para o trânsito de pessoas. Só é habilitado para a passagem de mercadorias, atividade que nunca foi interrompida.

Fontes governamentais de Misiones consultadas pela reportagem na segunda, explicaram que a posição da província é acompanhar a decisão de manter as fronteiras fechadas pelo governo nacional.

Em um momento de crescimento dos casos da Covid-19, como o que Misiones vem experimentando nas semanas de janeiro e fevereiro, foi indicado que é lógico estender o bloqueio de fronteira para evitar possíveis novos surtos da doença.

Entretanto, a Direção Nacional de Migração desaconselha viagens ao estrangeiro no contexto da pandemia, a menos que seja estritamente necessário, uma vez que as condições de entrada em cada país e as dos voos internacionais variam todos os dias.

“Os países fecham fronteiras ou suspendem rotas aéreas por motivos de saúde e isso implica riscos para os argentinos que estão no exterior. Não pedimos que não viaje, mas que adie ao máximo sua saída ao exterior até que as condições de viagem sejam mais estáveis​​”, explica Florencia Carignano, chefe do setor.

O órgão nacional destaca ainda que as novas cepas (variantes) que estão causando sérios problemas em vários países são um risco à saúde. Com a lupa colocada no Brasil, onde foi detectada a variante Manaus, considerada altamente contagiosa, por apresentar alterações genéticas semelhantes às encontradas no Reino Unido e África do Sul, não só não há tipo de abertura com aquele país vizinho avaliada , mas além disso, a vigilância dessas fronteiras poderia ser ainda mais reforçada pelo temor de que essa variante entre em território argentino.

“Qualquer coisa que possa atrasar a chegada dessas cepas ao país é em benefício de poder vacinar o maior número de argentinos”, disseram da Direção Nacional de Migração.

É preciso lembrar que essas variantes do coronavírus já foram detectadas há duas semanas pela primeira vez na Argentina em pessoas que haviam viajado para o Brasil. Essas variantes da Covid-19 fazem parte de outra preocupação do portfólio nacional de saúde, que é a possibilidade de que a eficácia das vacinas que estão sendo aplicadas em nosso país seja prejudicada por essas novas cepas.

Nesse contexto, ressaltaram, é razoável pensar que as fronteiras de Misiones com o Brasil e o Paraguai continuarão fechadas e sem previsão de abertura por enquanto.

Foto: Divulgação

Fonte: Portal da Cidade com El Territorio

Relacionadas

Leave a Comment