Eu quero cantar louvores, diz Temer em evento da Adhonep

Luiz Carlos da Cruz (Cascavel)
Afonso Magalhães (Rio de Janeiro)

O presidente Michel Temer participou na noite desta sexta-feira (20) do 35º Congresso Internacional da Adhonep (Associação de Homens de Negócios do Evangelho Pleno) no Rio de Janeiro.

Evento da Adhonep reúne milhares de pessoas no Rio de Janeiro (Fotos: Luciano Lima)

Ele iniciou o discurso citando um texto da carta de Tiago, mas que atribuiu a um dos evangelhos. “Eu me lembro de uma passagem do evangelho, não sei onde bem organizada, mas que diz mais ou menos o seguinte: ‘está alguém entre vós triste orai, está alguém entre vós alegre, cantai louvores’. Eu quero cantar louvores”, afirmou o presidente.

Temer disse que cantava louvores por ver uma multidão de empresários de diferentes partes do Brasil reunida no Rio de Janeiro o que, segundo ele, revela as potencialidades do País, ligada pelo que ele chamou de um “fenômeno que se chama religião”.

Temer lembrou que quando era presidente da Câmara dos Deputados participou de um almoço da Adhonep no Parlamento.

“Sei que um dos objetivos maiores da associação é prestar apoio ao empreendedor. Pois saibam que nesta missão podem contar com o mais decidido apoio do nosso governo. Desde o início do governo eu cuidei em trazer os empreendedores, ou seja, a inciativa privada para colaborar com o governo”, afirmou.

O presidente destacou que nos dois anos de governo concentrou esforços em duas frentes: a estabilização da economia e o incentivo à agenda da produtividade. Ele também destacou investimentos sociais, como o aumento acima da inflação, por duas vezes, concedido aos beneficiários do Bolsa Família.

Bíblia na mesa
Temer destacou que encontra refúgio na Bíblia Sagrada. “Sobre a minha mesa eu tenho dois livros: a Constituição Federal para cumprir integralmente o que editou a soberania popular quando criou o Estado Brasileiro e, de outro lado a Bíblia, que eu leio e releio para receber os refúgios espirituais dos próprios textos bíblicos. São esses dois livros que eu mantenho permanentemente sobre a minha mesa”, destacou.

O presidente ressaltou ainda o trabalho social desenvolvido pelos evangélicos e afirmou que a oração é a arma contra a injustiça. “Uma das coisas mais sérias que existem na vida pública é que muitas vezes você é injustiçado e contra a injustiça o que vale é a crença, o que vale é a oração. Portanto, em palavras finais, e cumprimentando-os mais uma vez, eu quero dizer: orem pelo Brasil, orem por mim”, afirmou o presidente ao encerrar o discurso.

Os empresários evangélicos e pastores que estavam no local oraram pelo presidente.

O encerramento do congresso acontece na noite deste sábado (21) no Hotel Windsor Oceânico.

Relacionadas

Leave a Comment