Está disponível no site do Instituto Água e Terra o Informe Mineral do Paraná

O Instituto Água e Terra, órgão vinculado a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, divulgou mais um informe mineral do Estado do Paraná (Informe Mineral 01/2021), com todas as informações sobre a produção mineral paranaense de 2019. O documento foi produzido pela Divisão de Geologia do Instituto. A base de dados é do Relatório Anual de Lavra (RAL), com elementos inseridos pelos mineradores na Agência Nacional de Mineração (ANM).

De acordo com os números apresentados, em 2019 foram comercializadas 51,15 milhões de toneladas de minério – 33,54 milhões de toneladas de minério beneficiado e 17,61 milhões de toneladas de minério bruto. O valor da comercialização total resultou em R$ 1,10 bilhão, o total de R$ 816,56 milhões de minérios beneficiados e R$ 287,99 milhões de minério bruto.

A construção civil foi um dos setores que mais movimentou a extração mineral no período. Foram 31,26 milhões de toneladas de brita e areia utilizados diretamente em edificações e para a elaboração de artefatos de cimento e concreto; argila para a elaboração, principalmente, de tijolos e telhas, e saibro para revestimento de estradas.

Naquele ano, o Paraná produziu 6,15 milhões de toneladas de cimento, dos quais 3,79 milhões foram consumidos no próprio Estado, segundo o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC). Considerando a população estimada pelo Ipardes/IBGE, de 11,43 milhões de habitantes, o consumo per capita destes minérios foi de 2,73 toneladas por paranaense.

Foram comercializados 18,38 milhões de toneladas de rochas carbonáticas na produção de cimento, corretivo agrícola e cal (calcário e dolomito); rochas britadas, saibro, rochas ornamentais, areia, argilas, talco, feldspato, carvão mineral, fluorita, ouro, entre outras denominações.

O informe mostra, ainda, que o Estado do Paraná produziu 4,53 milhões de toneladas de corretivo agrícola, dos quais, 3,41 milhões ficaram no mercado interno estadual. As informações são da Associação Brasileira dos Produtores de Corretivo Agrícola.

POTENCIAL – Segundo o diretor de Gestão Territorial do IAT, Amílcar Cavalcante Cabral, os dados refletem o potencial do Estado na extração mineral e o desempenho da economia. “O Paraná é um grande produtor de insumos minerais não metálicos para uso direto na construção civil e toda a sua produção é praticamente industrializada no próprio estado”, disse o diretor.

COMPARATIVO – A produção mineral relativa ao ano de 2019 supera toda a produção agrícola do Estado, excetuando a da cana-de-açúcar que representa quase 50% dos demais cultivos (a produção agrícola do Paraná em 2019 foi de 84,22 milhões de toneladas; a cana de açúcar alcançou 41,66 milhões de toneladas).

A comercialização dos 18,38 milhões de toneladas de rochas carbonáticas, em 2019, é equivalente a toda produção de soja ou de milho do Estado. Neste mesmo ano o Paraná produziu 16,32 milhões de toneladas de soja e 16,51 milhões de toneladas de milho, segundo o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social – Ipardes.

O Informe Mineral 01/2021 publicado pode ser acessado em http://www.iat.pr.gov.br/Pagina/Economia-Mineralem Informe Mineral.

Foto: IAT

(AENPR)

Related posts

Leave a Comment