Atletas do Paraná estão na seletiva de natação para vagas nas Olimpíadas

São cinco nadadores na disputa para as Olimpíadas de Tóquio, no Japão. Em comum, eles têm o início da carreira com participação nos Jogos Escolares do Paraná e, mais tarde, no programa Geração Olímpica, ambos do Governo do Estado.

Cinco nadadores do Paraná estarão na disputa para as Olimpíadas de Tóquio, no Japão. A Seletiva Olímpica Brasileira de natação, competição que definirá o time do Brasil para os Jogos Olímpicos de 2021, será no Parque Aquático Maria Lenk, no Rio de Janeiro, entre 19 e 24 de abril.

O Estado será representado por Alessandra Marchioro, Fernanda de Goeij, Gustavo Saldo e Vitor Guaraldo, do Clube Curitibano e Rafaela Raurich, do Santa Mônica Clube de Campo. Com exceção de Vitor Guaraldo, atleta oriundo de São Paulo, eles têm em comum o início de carreira participando dos Jogos Escolares do Paraná, competição oficial do Governo do Estado, e mais tarde do programa Geração Olímpica.

Desenvolvido pela Superintendência do Esporte e com patrocínio da Copel, o Geração Olímpica 2021 ofertará 1.260 bolsas a atletas e técnicos (incluindo as 15 da equipe administrativa), com um investimento de R$ 4,75 milhões.

Medalhista de bronze pan-americana, Fernanda de Goeij disputou o Campeonato Sul-Americano em março, mas agora volta as atenções para a seletiva. A atleta de 20 anos está na lista para a disputa de quatro provas: 200m e 400m medley, 100m e 200m costas. O destaque fica para a prova dos 200m costas, disputa na qual Fernanda chega como recordista brasileira e sul-americana, com o tempo de 2m11s95 – 1s56 acima do índice olímpico.

Ela falou da importância dos Jogos Escolares do Paraná no início de sua carreira. “Os resultados dos JEPS me levaram a participar até de seletivas internacionais. Foi uma grande experiência”.

Sobre o Geração Olímpica, Fernanda ressaltou que a bolsa ajudou muito no dia a dia, auxiliando no transporte e no material. “Assim consigo administrar melhor minha carreira”. Às vésperas da seletiva brasileira, a nadadora disse estar com uma expectativa grande e controlando a ansiedade para conseguir a classificação para Tóquio”.

A coordenadora do programa Geração Olímpica, Denise Golfieri, falou da emoção em ver os atletas estarem próximos de alcançar a vaga olímpica. “Esse é um grande exemplo de como nosso programa contribui na preparação desses talentos. Esses atletas participaram de muitas edições do Geração Olímpica, vimos a evolução de cada um nos ciclos, e temos o orgulho de fazer parte de suas conquistas, proporcionando à eles a dedicação ao esporte, tendo como objetivo principal o ciclo olímpico.”.

Mais experiente entre os atletas do Curitibano na seletiva olímpica, Alessandra Marchioro vai participar de duas provas de velocidade: 50m livre e 100m livre. Na disputa mais rápida da modalidade, a nadadora de 27 anos é a dona do 2º melhor tempo entre as competidoras, com 25s15, e está apenas a 0s38 do índice olímpico. Nos 100m livre, Alessandra tem o 5º tempo mais rápido, com 55s88, a 1s5 da vaga olímpica.

Duas vezes medalhista de ouro no Campeonato Sul-Americano Absoluto nos 200m borboleta e 4x200m livre, Gustavo Saldo, de apenas 18 anos, vai nadar também em quatro provas no Rio de Janeiro: 200m e 400m livre, 100m e 200m borboleta.

O jovem atleta está bem posicionado na disputa dos 200m borboleta com o 6º melhor tempo (01m58s76) – 2s28 acima do índice olímpico. Gustavo também falou sobre Jogos Escolares.

“Lembro muito bem da competição. Além da disputa por medalhas, tinha uma parte interessante que era a interação com atletas de outras modalidades e municípios, algo parecido com as Olimpíadas, com as devidas proporções. Isso me marcou bastante”. Sobre a disputa pela vaga olímpica, o curitibano ressaltou que está muito confiante e animado. “Vou com tudo pela vaga”.

Para o superintendente de Esporte do Paraná, Helio Wirbiski , esse é o resultado do trabalho multidisciplinar. “Focamos o desenvolvimento esportivo como lazer, como inserção social por meio do esporte educacional, e na formação de atletas até o alto rendimento. Esses atletas são exemplos das etapas para se chegar ao maior nível esportivo mundial, e o Governo do Estado está presente em todas elas, desde o desenvolvimento até o auxílio para rendimento pleno dos atletas”.

A coordenadora dos Jogos Escolares do Paraná, Márcia Tomadon, lembrou com carinho da passagem dos atletas pela competição do Governo do Estado. “Me lembro bem deles. Em 2007, a Alessandra Marchioro representou o Paraná nas Olimpíadas Escolares em Poços de Caldas, já era um destaque. A Rafaela Raurich, em 2015, defendeu nosso estado nos Jogos Escolares da Juventude, em Londrina. Muita gente se mobilizava para ver ela nadando”.

“Na verdade, todos eles nos ajudaram muito, fizeram história com conquistas em competições nacionais. Quando estavam em nossa disputa regional, abrilhantaram o evento, elevando índice técnico da competição. Com muito orgulho, estamos acompanhando e torcendo por eles”, completou Márcia.

Com 21 anos, Rafaela Raurich representará o Santa Mônica Clube de Campo disputando os 100m, 200m, 400m e 800m livre e o 200m borboleta. Na prova de 200m livre ela não precisará de índice, bastando ficar entre as quatro primeiras nadadoras para garantir vaga na equipe de revezamento. Já para se classificar na prova individual, Rafaela precisará alcançar o índice de 01m57s28, sendo 01m,59s,67 o seu melhor tempo.

Vitor Guaraldo, 25 anos, também nadador do Clube Curitibano, vai disputar a prova dos 100m costas e chegará ao Parque Aquático Maria Lenk com a 6ª melhor marca, com o tempo de 55s39 – 1s54 acima do índice para Tóquio.

O presidente da Federação de Desportos Aquáticos do Paraná (FDAP), Ivo Piovezan Filho, destacou que é muito importante o trabalho em conjunto entre a federação, os clubes e o Governo do Estado. “Desde cedo nos Jogos Escolares temos disputas de alto nível, o que facilita aos atletas a transição para competições nacionais e internacionais. E sempre que é possível, quando o calendário permite, os melhores atletas do Estado participam dos Jogos Oficiais do Estado, valorizando as competições”.

O presidente destacou ainda o programa de bolsa-atleta no Paraná. “Graças ao programa Geração Olímpica esses atletas ainda estão morando e competindo no Paraná. Sem esse auxílio eles jamais estariam por aqui. É mais um ponto positivo para a política pública aplicada pela Superintendência de Esporte do Paraná”.

CUIDADOS – Para reduzir os riscos no evento em relação à pandemia, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) limitou o número de inscritos – a competição terá 103 participantes.

Pela primeira vez, os nadadores brasileiros terão uma única competição para definir a ida, ou não, para as Olimpíadas. Até 2016, as classificações eram em dois ou mais torneios ou por meio de índice que poderia ser obtido durante um período.

Só estarão elegíveis para convocação o primeiro e segundo colocados de cada prova. A partir daí, será preciso que eles estejam abaixo do índice “A” definido pela Fina (Federação Internacional de Natação) para carimbarem a vaga.

O programa de provas deste campeonato será disputado em seis etapas, distribuídas em seis dias de competição, com as provas eliminatórias realizadas pela manhã e as finais “A” e “B” disputadas na parte da tarde.

Foto: Sátiro Sodré

(AENPR)

Relacionadas

Leave a Comment