Procurador-chefe da Lava Jato diz que vai orar e jejuar pelo País

“4ª feira é o dia D da luta contra a corrupção na Lava Jato. Uma derrota significará que a maior parte dos corruptos de diferentes partidos, por todo país, jamais serão responsabilizados, na Lava Jato e além. O cenário não é bom. Estarei em jejum, oração e torcendo pelo país.”

A declaração é do procurador da República, Deltan Dallagnol, postado no domingo em sua conta no Twitter. Evangélico, o procurador-chefe da Lava Jato estava se referindo ao julgamento dos recursos de Lula contra a prisão em segunda instância, que será decidido pelo STF (Supremo Tribunal Federal) na próxima quarta-feira (5).

“Uma derrota significará que a maior parte dos corruptos de diferentes partidos, por todo o País, jamais será responsabilizada, na Lava Jato e além. O cenário não é bom.”. Dallagnol promoveu um abaixo assinado a favor da prisão após condenação em segunda instância, em sua página oficial no Twitter, neste domingo.

O manifesto da ONG Observatório Social já conta com mais de 31 mil assinaturas e será entregue nesta segunda-feira, 2, aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), dois dias antes do julgamento do habeas corpus para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula foi condenado a 12 anos e um mês em segunda instância no caso do tríplex do Guarujá.

“O STF pode transformar Justiça Penal num conto de fadas na próxima 4ª feira. Prisão para poderosos existirá só nos Códigos”, disse Dallagnol. O procurador usou o tuíte do ex-procurador Geral da República Rodrigo Janot para mobilizar os seus seguidores. Em sua publicação, Janot chamava os internautas a assinarem o documento, dizendo que o “momento é grave e importante”.

O procurador Deltan Dallagnol, favorável à manutenção da jurisprudência do STF sobre prisão após condenação em segunda instância, escreveu no Twitter que estará de jejum na quarta-feira, 4 de abril, dia do julgamento do HC de Lula na Corte.

Deixe uma resposta