Plano prevê recuperação de nascentes sem a desativação das fontes

Os cuidados com o Meio Ambiente são constantes na administração pública de Cascavel. Seguindo esse lema, foi realizada nesta quarta-feira (22), no gabinete da Prefeitura, a primeira reunião do ano do Comitê Gestor dos Recursos Hídricos, que contou com representantes da Secretaria do Meio Ambiente, Sanepar, IAP (Instituto Ambiental do Paraná), Ministério Público, Câmara de Vereadores e de ONGs (Organizações Não Governamentais). A pauta principal foi a de encontrar soluções para a situação ambiental das nascentes contaminadas em perímetro urbano do Município.

Ao todo, são 17 nascentes que passaram por um estudo minucioso da Sanepar sobre seu risco de vulnerabilidade, mas, que, conforme o plano de ação acordado na reunião, serão recuperadas. Nesse primeiro momento está excluída qualquer possibilidade de desativação das fontes de Cascavel, afirma o secretário de Meio Ambiente, Wagner Seiti Yonegura. “Além disso, será feito o levantamento do impacto no entorno dessas nascentes. As ações que serão executadas a partir de agora serão o Termo de Cooperação entre Sanepar e Prefeitura e, após, a licitação, que deverá ocorrer em até 8 meses. Durante esse tempo, permanece a orientação à população de não consumir água dessas fontes”, frisa o secretário.

Segundo a gerente de Recursos Hídricos da Sanepar, Ester Assis Mendes, para dar vazão ao projeto de recuperação das nascentes, a instituição prevê o investimento de R$ 200 mil, que inclui a plantação de mudas e também colocação de cercas nesses espaços. “As nascentes não devem ser utilizadas para o abastecimento público, porque ela não faz parte do sistema oficial do abastecimento. É um item que não tem a tutela, o monitoramento e o tratamento da qualidade de água exigido pelo Ministério da Saúde. A partir do momento que o cidadão resolve pegar uma água do meio ambiente, ele assume os riscos de ter contaminantes nessa água e assume o risco de estar prejudicando sua saúde. O ideal é consumir água tratada do sistema oficial”, reforça a orientação aos moradores de Cascavel.

O promotor Angelo Mazzuchi lembrou a importância das fontes no contexto social e recreativo de Cascavel. “Se não houver impacto ambiental, as fontes serão mantidas. Evidentemente as fontes têm uma função ambiental e urbana muito importante. É ainda um espaço verde, um espaço lúdico e vai cumprir o seu papel, o principal deles, de ser uma área de lazer para população”, frisa o promotor.

(Secom)

Related posts

Leave a Comment