Netanyahu: Bolsonaro garantiu mudança de embaixada para Jerusalém

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse hoje (30) que o presidente eleito Jair Bolsonaro garantiu a mudança da embaixada brasileira para Jerusalém. A declaração foi feita durante um encontro com a comunidade judaica do Rio de Janeiro no Hotel Hilton em Copacabana. “Bolsonaro disse ‘eu vou mudar a embaixada para Jerusalém, não é uma questão de se, mas uma questão de quando’”, disse o primeiro-ministro.

O governo israelense acredita que não haverá retaliação das nações árabes contra o Brasil devido à mudança do local da sede da embaixada brasileira.

Mais cedo, Netanyahu se encontrou com jornalistas brasileiros para um briefing de sua visita. Ele destacou que o Brasil é o principal foco de Israel neste momento e que é importante estreitar relações com o país.

Vendas somente em Cascavel

O primeiro-ministro disse que conversou com Bolsonaro sobre os benefícios que a tecnologia israelense pode trazer ao Brasil, principalmente nas áreas de agricultura, gestão hídrica e segurança. Nos próximos meses especialistas israelenses estarão no Brasil para mapear as necessidades brasileiras e avaliar possibilidades de parceiras econômicas.

Netanyahu destacou a forma amigável como foi recebido ontem (29) durante um passeio à praia de Copacabana. “Entre milhares de pessoas, uma pessoa gritou ‘free Palestine’ [liberte a Palestina], mas milhares de pessoas me aplaudiram”, disse.

No fim da tarde, o primeiro ministro de Israel fez uma visita ao Cristo Redentor, na Floresta da Tijuca. A comitiva com batedores e carros da Polícia Federal chegou ao Espaço Paineiras, que dá acesso ao monumento, às 17h45. A imprensa não pôde acompanhar e as vans de turistas, com uma longa fila, também ficaram paradas por mais de 40 minutos, sem poder acessar o Cristo. Às 18h30 a comitiva deixou o local e foi vaiada pelos turistas que aguardavam para subir para o Cristo.

Segundo informações da assessoria de imprensa da Arquidiocese do Rio de Janeiro, Netanyahu não saiu do carro, porque o monumento estava muito cheio. A esposa dele, Sara, fez a visita acompanhada da assessoria da Arquidiocese e o arcebispo do Rio de Janeiro, Don Orani Tempesta, e o padre Omar Raposo, reitor do Cristo Redentor, foram até o carro cumprimentar o primeiro-ministro.

(Agência Brasil)

Deixe uma resposta