Eles encenam a fé

Por Edna Nunes

Em comum eles têm a fé e a juventude. Largaram tudo, cada um com uma história e um chamado diferente que se encontram nos palcos e altares improvisados pelo mundo. Eles encenam a fé e tocam a alma de milhares de pessoas todos os anos. Esse mês foi à vez da igreja Bola de Neve em Toledo, receber a peça “Esquecer e Crescer”, baseada no conflito de fé e emoção do personagem bíblico José do Egito.

O líder e fundador da equipe surgiu do homossexualismo e da feitiçaria. Esse é o histórico de Caíque Oliveira antes de conhecer o poder do nome de Jesus. Ele vivia uma vida longe dos caminhos de Deus, quando passou a receber orações da sua avó que clamava por sua salvação. As orações de uma justa fizeram efeito e o transformaram no idealizador e organizador da Companhia de Artes Nissi.

Com um tímido grupo de integrantes, a companhia iniciou na cidade de Campinas (SP) em abril de 2000. A partir de então jovens de várias igrejas passaram a fazer parte do teatro inovador que surgia nas igrejas. Embora tivesse certa experiência com arte no espaço secular, Caíque inspirou-se na Palavra de Deus para criar as peças. As fronteiras se estenderam para vários estados do País e participantes começaram a ser recrutados das formas mais inusitadas.

Os artistas não são remunerados e sobrevivem de ofertas recebidas durante as apresentações ou por doações depositadas nas contas da companhia. Em vez de fazerem apelos de doações para manutenção da equipe, após as apresentações, integrantes da companhia Jeová Nissi solicitam doações para o projeto Aldeia Nissi desenvolvido em Angola.

O projeto cuida de mais de 600 crianças na cidade conhecida como Comuna do Kunje, localizada no coração do país. A cidade africana foi um dos lugares mais atingidos pela Guerra Civil que durou mais de 30 anos. O projeto Aldeia Nissi conta com a Escola Sebastiana Garcia, equipada com sete salas, secretaria, cozinha, banheiros e uma casa de apoio.

Deixe uma resposta